Curta a ACE nas Redes Sociais:        
Telefone:
(17) 3524-9844 - (17) 3523-9494
Endereço:
Rua Alagoas, 137 - Centro - Catanduva - SP
  12 de novembro de 2021

“O Herói” (2017)

Um filme de Brett Haley
com Sam Elliott, Laura Prepon, Nick Offerman, Krysten Ritter.

” The Hero ” encontra Elliott em um papel profundamente contemplativo, discutindo sua própria carreira e fazendo uma meditação emocionante sobre o estrelato.

Como uma figura perene de cowboy, já se passaram muitos anos desde os papéis icônicos de Elliott em “Lifeguard” e “Tombstone”; para as gerações mais jovens, seu sotaque icônico pode ser mais familiar como as dublagens em “The Big Lebowski”. Essa voz lidera o caminho em “The Hero”, que começa com seu personagem Lee Hayden revirando os olhos enquanto ele tenta gravar um comercial agradável para o Lone Star BBQ. É o cenário perfeito para um filme com uma história principal: Aqui está um homem talentoso que o mundo esqueceu.

O roteiro de Haley não perde tempo em arriscar. Em questão de minutos, Lee recebeu uma ligação de seu agente sobre algum prêmio de desempenho indescritível – e então seu médico o diagnosticou com câncer de pâncreas. Recuando para a negação (e uma névoa de fumaça de maconha), Lee esconde as notícias de sua filha distante (Krysten Ritter) e de todos os outros ao seu redor. Em vez disso, ele esconde sua má sorte na mentira de que planeja fazer outro filme.

Grande parte de “O Herói” é gasto saindo com Lee e explorando as limitações de seu mundo. O ator passa boa parte do tempo fumando maconha com um velho amigo que agora é traficante de drogas (Nick Offerman, fazendo monotonia irônica) e encontra aleatoriamente Charlotte (Laura Prepon), uma misteriosa mulher mais nova com quem ele desenvolve um vínculo romântico curioso. Por um capricho, ele traz Charlotte como sua companhia para a cerimônia de conquista da vida, o que leva a uma noite inesperada, alimentada por drogas, à medida que a química do casal começa a se desenvolver.

Bem interpretada, essa dinâmica previsivelmente leva a complicações, com Lee questionando o interesse muito mais jovem de Charlotte por ele, e a revelação de sua própria carreira no desempenho, tornando suas perspectivas ainda mais sombrias. É uma dinâmica não sofisticada que permanece assistível: o exterior duro de Elliott inevitavelmente dá lugar ao desespero, e o ator é tão hábil em transmitir essas sutilezas que suas expressões equivalem a uma bomba-relógio. No cenário deslumbrante da costa da Califórnia, “The Hero” complementa a performance de Elliott com um cenário que reflete seu humor contemplativo.

O nome do personagem, Lee Hayden, é um amálgama de Lee Marvin e Sterling Hayden – os quais resumem a arrogância masculina de uma era diferente e as oportunidades cada vez menores para esses rostos com o passar dos anos. Mas enquanto o personagem deriva de uma longa tradição de artistas em dificuldades, “The Hero” expõe suas cartas desde o início e nunca consegue construí-las. Lee permanece assombrado por seus erros, incapaz de rejuvenescer seus laços com sua família ou reacender sua carreira, e até mesmo a possibilidade fugaz de uma segunda chance o leva a outro caminho deprimente de autopiedade. O roteiro de Haley não se aprofunda nesse enigma: o máximo que Lee pode oferecer é que ele é “um velho malandro triste”, enquanto Charlotte o consola dizendo que seu único papel famoso “é o mais próximo possível da imortalidade. “

Os momentos mais fortes do filme envolvem uma filmagem imaginária que ocorre dentro dos limites da cabeça de Lee; É aqui que Haley se afasta dos argumentos mais óbvios da história em favor de uma abordagem expressionista para transmitir o relacionamento assombroso de Lee às oportunidades perdidas enquanto ele contempla sua morte. No entanto, essas mesmas cenas são convincentes o suficiente para destacar os eventos mais simples do drama principal. Com Elliott na frente e no centro de todas as cenas, “The Hero” exibe o tipo de exibição de atuação que sua estrela fictícia nunca pode alcançar.

SIGA NAS REDES SOCIAIS

Top