Curta a ACE nas Redes Sociais:        
Telefone:
(17) 3524-9844 - (17) 3523-9494
Endereço:
Rua Alagoas, 137 - Centro - Catanduva - SP
  5 de março de 2021

AS PARTICULARIDADES DO CONTROLE ADMINISTRATIVO

A princípio, de acordo com CHIAVENATO (2003), o conceito de controle é entendido como a função administrativa que visa assegurar isto: Se determinado projeto foi devidamente planejado, sistematizado e capitaneado, seus objetivos foram sistematicamente atendidos.

Em princípio, o controle é constituído por quatro fases fulcrais que seguem uma ordem cronológica. Dentre elas destacam-se:

  • Estabelecimento de critérios ou padrões;
  • Observação do desempenho;
  • Comparação do desempenho com o padrão estabelecido;
  • Ação corretiva para elidir desvios ou vicissitudes.

Além da acepção deixada por CHIAVENATO (2003), o controle concerne ao aspecto da função administrativa que se destina a gerenciar e supervisionar as atividades e operações de processos, ou seja, incumbe-se por englobar os ditames da administração para capitanear determinada matéria.

Ademais, esse termo mensura o desempenho de determinado produto para buscar uma ação cabível, a fim de aplicá-la subsequentemente. Esta aplicação peremptória visa otimizar o desempenho do produto mensurado por intermédio da mitigação de perdas concebidas no decorrer de determinado processo.

Em razão disso, seus resultados baseiam-se no tempo, devendo-se alicerçar nos preceitos da gestão temporal. Todas as atividades e operações administrativas devem convir com seus parâmetros prepostos. Em bom português, deve-se inspecionar se o objeto controlado atingiu os resultados previamente estabelecidos pela organização.

De modo geral, o plano de ação é imposto no sistema para que os resultados dos processos sejam claramente atingidos. Atente-se: A direção é mais importante que a velocidade, haja vista que não adianta ter velocidade para progredir se não tiver uma direção definida.

O controle mira, concomitantemente, a prevenção e a correção de falhas geradas num processo, isto é, por meio da aplicabilidade de medidas cabíveis é oportuno prever as possíveis falhas e, ao mesmo tempo, corrigir as existentes. Assim sendo, o processo administrativo é munido de medidas preventivas e corretivas, pois seu principal desígnio é atingir resultados, repercussões previstas na etapa de planejamento.

Em outras palavras, a prevenção de falhas tem a finalidade de antevê-las para não eclodirem os acidentes de trabalho, enquanto a retificação delas tem o prestígio de elidi-las integralmente, vetando seu reaparecimento.

Em suma, os controles organizacionais servem para padronizar o desempenho do produto por intermédio de:

  • Inspeção: Ação ou efeito de olhar, de verificar ou examinar; fiscalização.
  • Supervisão: Efeito de supervisar, governar determinado trabalho.
  • Procedimento: Método ou processo, isto é, refere-se à maneira através da qual alguma coisa é realizada.
  • Programa de produção: Visa aumentar o fluxo produtivo e o fluxo rentável da organização.

Parafraseando o pensamento de CHIAVENATO (2003), o controle, além de suas definições, restrições e aplicações, possui vários significados.

Dentre eles destacam-se:

  • Controle como função restritiva: Utilizado para coibir ou restringir desvios hostis ou comportamentos inaceitáveis;
  • Controle como sistema automático de regulação: O mecanismo detecta factíveis desvios bem como faz o ajuste para que o sistema volte a funcionar normalmente;
  • Controle como função administrativa: Tem a finalidade de assegurar que os resultados do que foi planejado, organizado e dirigido se ajustem aos objetivos previamente estatuídos.

Além dessas conceituações, as fases do controle são:

  • Estabelecimento de padrões ou critério: Padrões de quantidade (quantitativo), de qualidade (qualitativo), de tempo (temporal) e de custo (financeiro).
  • Observação de desempenho: Possui o escopo de obter (levantar) informações acerca do que está sendo sistematicamente controlado.
  • Comparação do desempenho com o modelo estabelecido: Toda atividade está sujeita a algum tipo de variação, erro ou desvio. Para controlar essa situação, é sine qua non determinar os limites (mínimo e máximo) dessa variação.
  • Ação corretiva: Seu principal objetivo consiste em conservar as operações dentro dos padrões estabelecidos, mantendo-as dentro dos limites de variação determinados. (Fonte: Adaptado CHIAVENATO, 2003, p. 177 – 178).

Portanto, consoante PEIXE (2002, p. 92), constata-se que a concepção de controle está consubstanciada ao princípio administrativo da delegação de competência e, sob esta perspectiva, objetiva o registro, a comparação, o confronto e a inspeção, ou melhor, trata-se de um processo de comparação e segurança. A tangível necessidade de registro e controle aumenta na medida em que a atividade econômica de um indivíduo ou grupo ascende.

Eng.º Esp. Nycholas Nahes Colombo Duarte.

SIGA NAS REDES SOCIAIS

Top