você está em » Notícias
Data de Publicação: 23/02/2017
Investimento pela poupança registra menor patamar desde 2012
Pelo segundo mês consecutivo, preferência de investimento pela poupança registra menor patamar desde 2012
 
Segundo a FecomercioSP, mesmo ainda sendo preferida por 57,3% dos paulistanos, categoria exibe queda de quase 13 p.p. em um ano
 
O consumidor paulistano permanece conservador sobre tomar empréstimos e o mercado de crédito também se mantém restrito, porém ambos demonstram mudanças no segundo mês do ano, voltando ao patamar de novembro de 2016. De acordo com a Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento (PRIE), elaborada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o Índice de Intenção de Financiamento registrou 18,6 pontos em fevereiro, alta de 9,4% em relação a janeiro. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, houve queda de 11,1%, quando o indicador alcançou os 21 pontos.

 

O Índice de Segurança de Crédito caiu 2,4% em fevereiro, passando de 80,9 pontos apurados em janeiro para 79,0 pontos devido aos não endividados que utilizam suas reservas financeiras para a complementação do orçamento doméstico. No comparativo com o mesmo período do ano passado, houve retração de 5,9%.

 

Segundo a PRIE, a segurança de crédito dos não endividados caiu 4,7% entre janeiro e fevereiro e 3,6% na comparação anual. Já os endividados viram a segurança de crédito subir 3% na comparação com o mês anterior e cair vertiginosamente 11% em relação a fevereiro de 2016. De acordo com a FecomercioSP, o consumidor endividado tem usado os recursos que consegue para quitar dívidas e a proporção desses consumidores com poupança, ainda que mais baixa do que a daqueles sem dívida, tem se mantido e até se elevado um pouco. Parece que os endividados acharam seu ponto de equilíbrio, provavelmente a duras penas e com cortes de despesas e esforço maior.
De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, fevereiro foi um mês de ajustes após o começo de ano, período em que as dívidas preocupam os consumidores e observa-se um aumento do endividamento e da inadimplência. Graças a um comportamento muito sereno das pessoas, o mercado não sofreu os tradicionais solavancos de início de ano, ou ao menos não na intensidade que se verificou em outros períodos. O conservadorismo dos consumidores garante ao País que o sistema financeiro esteja fora das principais preocupações do Governo, ao contrário do que ocorre em outras economias muito alavancadas.
 
Por outro lado, as elevadas taxas de juros ainda inviabilizam o crescimento econômico e o investimento empresarial, reduzindo o potencial tanto de crescimento do País, quanto de valorização do mercado acionário. A FecomercioSP acredita que em 2017 haverá mais um período de busca da normalidade, com perseguição de taxas de juros menores, investimentos diretos maiores e redução do tamanho do Estado com base nas reformas. Essa tendência sendo mantida, de acordo com a Federação, vai abrir caminho gradativamente para um novo ciclo de expansão de crédito e de crescimento, com redução de juros e da dívida pública.
 
Aplicações
A poupança continua sendo a aplicação mais utilizada pelos paulistanos, mas pelo segundo mês consecutivo, registrou os piores resultados da série histórica que se iniciou em junho de 2012, e segue perdendo espaço para outras opções de aplicações como as ações. Em fevereiro, 57,3% das famílias afirmaram que a poupança foi o principal destino dos seus recursos, recuo de 0,4 ponto porcentual (p.p.) na comparação com janeiro e -12,9 p.p. em relação a fevereiro de 2016. Em contrapartida, os que aplicam em ações são 4,3% do total, maior valor da série histórica e mais que o dobro do registrado em fevereiro de 2016 (2,0%). Já a renda fixa passou dos 18,6% em fevereiro de 2016 para 22% no mesmo mês deste ano, alta de 3,4 p.p..
 
Segundo a FecomercioSP, mesmo que a tendência de juros futuros seja de queda ao longo deste ano, o rendimento da renda fixa é mais atraente do que o da poupança e os aplicadores estão aprendendo isso. De outro lado, com a provável queda continuada de juros, a Federação acredita que haverá uma abertura de espaço para diversificação das aplicações, principalmente via ações, como já se começa a notar. Ao longo do segundo semestre do ano passado o Ibovespa teve bom desempenho, com momentos de queda também, mas principalmente por quem quis realizar lucros após altas relativamente expressivas e rápidas dos preços das ações. No momento, o Ibovespa continua promissor para 2017, ainda que não no mesmo ritmo do segundo semestre de 2016. A Entidade acertou quando antecipava que nestes meses a novidade deveria ser uma migração para a Bolsa de Valores, dado que a aplicação está dando retornos muito bons no momento, e é isso que acaba atraindo a atenção, mais do que qualquer análise técnica.
 
A FecomercioSP pondera ainda que com a provável reforma da previdência e com o foco sobre esse assunto é possível que as aplicações em fundos de pensão e previdência privada ganhem novos adeptos. Essa tendência deve favorecer a poupança de longo prazo e deve ser estimulada de forma a que os jovens de hoje auxiliem na aceleração do crescimento, via investimentos de prazo longo, e garantam uma velhice mais próspera.
VEJA TAMBÉM
‘Pesque e Preserve’ promove pesca esportiva e lazer em família
CONVITE PARA DEBATER SOBRE PLC 14/2017
Concessionária da Petrobras vai levar gás natural para Catanduva
Instituições se unem para ajudar quem pensa em abrir negócio próprio em Catanduva
Vendas do Dia das Mães tem primeiro desempenho positivo dos últimos três anos
ACE leva empresários para conhecerem instalações do HUSDom
Gerenciamento Eletrônico facilita e oferece segurança no processo documental de empresas
Poupatempo é a nova casa do Posto Sebrae de Cataduva
"Reforma trabalhista jogou CLT na lata do lixo", diz deputado Sinval Malheiros
Demanda do consumidor por crédito cai 7,2% em fevereiro, aponta Serasa Experian
Copyright © Ace Catanduva2016